Capa: Rita Brito (2017) Família.com - Famílias, crianças (0-6) e tecnologias digitais. Communication  +  Philosophy  +  Humanities. .
Família.com - Famílias, crianças (0-6) e tecnologias digitais

by Rita Brito

Collection: LabCom Books
Series: Communication Research
Year of edition: 2017
ISBN: 978-989-654-384-6
Price of the print edition: € 10   Order


Download PDF - 2893 KB


Synopsis

As crianças de hoje crescem com tecnologias, utilizando-as diariamente, acedendo numa idade cada vez mais jovem. Em casa, as famílias têm acesso a uma panóplia de dispositivos, como o tablet, o smartphone, a televisão, a consola de jogos, entre outros. Esta evolução força os pais à difícil tarefa de se atualizarem com regularidade, promovendo uma utilização segura e de qualidade dos dispositivos digitais, acompanhando-as nesta utilização e encontrando um propósito no seu uso. A utilização da web por crianças pode trazer benefícios, mas juntamente com estes trás a exposição a alguns riscos. Por isso, é relevante investigar as atividades que as crianças realizam online e os riscos a que estão expostas, já que é cada vez mais importante a promoção da segurança e a capacitação dos pais para essa questão.

Assim, através deste estudo exploratório, onde foram entrevistadas 15 famílias portuguesas com filhos até 6 anos, pretendeu-se conhecer as atividades das crianças com os meios digita, perceber como as tecnologias são entendidas pelos diferentes membros das famílias e como é feita a gestão da utilização dos meios digitais.

Tendo em conta os dados recolhidos, pode afirmar-se que as crianças vivem rodeadas de tecnologias, usando-as desde que têm 1 ano de idade. Gostam muito de as usar, assim como também gostam de brincadeiras analógicas. As suas atividades digitais passam principalmente por jogar no tablet, o seu dispositivo preferido, não sendo produtoras de conteúdos. Os pais preferem que elas brinquem no exterior, no entanto assumem utilizar as tecnologias para entreterem os filhos. Para os pais, eles ainda são muito jovens e não correm riscos neste uso, principalmente porque não sabem ler nem usam redes sociais, sendo uma ferramenta mais significativa quando iniciarem o ensino primário. No entanto, os filhos têm mais competências digitais do que eles concebem: fazem download e aprendem a jogar jogos de modo autónomo, pesquisam vídeos e músicas no YouTube, gerem a memória dos dispositivos, utilizam as opções da televisão por subscrição, gerindo os conteúdos, entre outras tarefas. Os pais têm percepções positivas no uso de tecnologias pelos filhos, como relevantes para o eu futuro ou acesso à informação, assim como percepções negativas, como receio da pedofilia e rapto, nomeadamente ligadas às redes sociais. Quando as crianças iniciam a exploração digital, os pais apresentam-lhes os dispositivos, sem regras, mas se começam a verificar excesso de utilização, tendem a colocar regras rígidas, como tempos curtos de utilização, gerando-se por vezes conflitos. Não se verificou muito acompanhamento nas atividades digitais dos filhos pelos pais e as crianças afirmaram que os utilizavam normalmente sozinhas. Poucas mencionaram a utilização de tecnologias para questões educativas em casa ou no jardim de infância.

Verifica-se assim a utilização das tecnologias principalmente para entretenimento, desvalorizando a produção de conteúdos e a sua utilidade pedagógica, tanto no lar como nos jardins de infância. É necessário providenciarmos oportunidades e experiências às crianças para se envolverem com as tecnologias digitais, tendo como objetivo desenvolver as suas competências operacionais, assim como o seu envolvimento em brincadeiras imaginativas de novas e inovadoras maneiras. Os pais têm o papel de as acompanhar neste uso, proporcionando uma utilização segura e proveitosa.


Index

Introdução - 15 
Objetivos do estudo - 17
Capítulos constituintes do livro - 20

CAPÍTULO I - TECNOLOGIAS, CRIANÇAS E FAMÍLIAS - 23
I.1 Sociedade da informação - 23
I.2 Utilização cada vez mais cedo de meios digitais (online) por crianças - 24
I.3 Benefícios para as crianças na utilização das tecnologias (online) - 27
I.4 Utilização das tecnologias em ambientes formais e informais - 29
I.5 Tecnologias e famílias: perceções dos pais sobre a utilização das tecnologias pelos lhos - 31
I.6 Segurança online e mediação - 35

CAPÍTULO II - METODOLOGIA - 41
II.1 Metodologia adotada no estudo - 41
II.2 Participantes do estudo: amostragem teórica - 44
II.3 Caracterização da amostra - 47
II.4 Técnicas de recolha de dados - 56
II.5 Procedimentos para a recolha de dados - 58
II.6 Método de análise dos dados - 61
II.7 Questões éticas - 64

CAPÍTULO III - ATIVIDADES DE CRIANÇAS COM TECNOLOGIAS E O PAPEL DAS FAMÍLIAS - 67
III.1 Caracterização das famílias - 67
III.2 Atividades de crianças até 6 anos com tecnologias digitais: De quem? Onde? Quando? Com quem? O quê? Quais? - 125
III.2.1 Tablet - 127
III.2.2 Smartphone - 142
III.2.3 Consolas de jogo - 150
III.2.4 Computador - 155
III.2.5 Televisão - 160 
III.3 Como as tecnologias são entendidas pelos diferentes membros da família? - 163
III.3.1 Crianças - 163 
III.3.2 Pais - 180 
III.4 Como é gerido o uso dos meios digitais? - 192 
III.4.1 Regras e meios digitais - 192 
III.4.2 Que mediação é feita pelos pais? - 199 
III.5 Situações individuais - 210

CAPÍTULO IV - CONCLUSÕES - 217 
IV.1 Conclusões do estudo - 217 
IV.2 Perspetivas de evolução da investigação - 233

Referências bibliográficas - 237 

Support:
Fundação para a Ciência e a Tecnologia
União Europeia
Quadro de Referência Estratégico Nacional
Programa Operacional Factores de Competitividade
Universidade da Beira Interior