Foucault: Ética e Política - Colóquio Internacional

2 - 3 Março, 2017

Sala dos Conselhos (2 Março, 14h30)

Museu dos Lanifícios (3 Março, 9h30)

[Com transmissão online em: http://www.ubi.pt/Paginas/Transmissao]


O objectivo deste colóquio é a análise da evolução das dimensões política e ética do pensamento de Michel Foucault, com particular incidência na zona de intersecção e/ou sobreposição do político e do ético. O pensamento político de Foucault começa por destacar, a partir do fim dos anos 60, a autonomização, na modernidade, do político em relação ao ético. Esta autonomia representa uma desontologização do político, que deixa de ser a dimensão fundamental do ser humano (do zoôn politikon), para ser visto como um conjunto de “técnicas de governamentalidade”, incidentalmente reforçadas por dispositivos disciplinares.  A “emancipação” iluminista do indivíduo moderno e a reivindicação da sua liberdade, e dos seus direitos, leva o filósofo a interessar-se pelo liberalismo, incluindo o neoliberalismo, visto como contra-movimento à lógica da “razão de Estado” e às técnicas de governamentalidade. A ética assumida por Foucault é uma “ética da liberdade”, restando esclarecer a natureza desta ética e as suas relações com o liberalismo.  É na última fase do seu percurso que o pensamento de Foucault problematizou da maneira mais explicita e aprofundada a ética e o ético, sem perder de vista o político, nomeadamente através de um minucioso détour pela filosofia antiga. O desafio que se coloca aos participantes do colóquio é de pôr em evidência, e à prova, a coerência do percurso do pensamento ético-político de Foucault, nas suas diferentes fases e no seu todo. A sua originalidade é por demais evidente.


PROGRAMA


Quinta-feira, 2 de Março - Sala dos Conselhos, Pólo I

 

14h30 

Sessão de abertura  


14h45

Helton Adverse (Univ. Fed. Minas Gerais)  

Foucault, a verdade e a democracia


António Bento (Labcom.IFP/UBI)  

Das relações entre parrêsia e retórica em democracia, ou o platonismo político de Foucault


16h45

Pausa  


17h00

José Caselas  

Forma de vida e parrêsia. Como superar a biopolítica negativa?


Martina Tazzioli (Swansea University)  

Governing mobility through mobility. The emergence and disciplining of unruly multiplicities in Foucault's Courses



Sexta-feira, 3 de Março - Museu dos Lanifícios - Real Fábrica Veiga  

  

9h30 

Daniele Lorenzini (CNRS, Univ. Paris I)

Foucault on neoliberalism and the ethics of the self: a reappraisal

 

José Manuel Santos (Labcom.IFP, UBI)  

Foucault et le moment socratique dans la pensée éthique contemporaine


Paulo Roberto (Centro de Filosofia da Univ. de Lisboa)

Foucault e o êthos filosófico como atitude critica: parrêsia e Aufklärung

 

12h45 

Pausa – almoço  


14h30

António Fernando Cascais (Univ. Nova de Lisboa)  

Foucault, poder e resistência


Marta Faustino (IFILNOVA, Univ. Nova de Lisboa)  

O imperativo socrático de Foucault: a filosofia como arma de resistência e libertação


Gianfranco Ferraro 

Le risque de la vérité: une hermenéutique du présent


Orazio Irrera (Univ. Paris VIII, Collège Intern. de Philosophie)

La préhistoire du dispositif: entre sexualité et idéologie

Support:
Fundação para a Ciência e a Tecnologia
União Europeia
Quadro de Referência Estratégico Nacional
Programa Operacional Factores de Competitividade
Universidade da Beira Interior