As III Jornadas Ibéricas sobre “Cultura, Património e Turismo na Sociedade Digital”, que se realizam no dia 18 de outubro de 2019 na Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior (Covilhã, Portugal), representam um novo esforço para refletir, de modo crítico, acerca das relações dinâmicas que se estabelecem entre estas três áreas na atual Sociedade da Informação e do Conhecimento.
Com essa finalidade, e à semelhança das anteriores edições, o evento contempla a intervenção de especialistas de âmbitos diversos, pertencentes a universidades de Portugal, Espanha e Países Baixos, e que se propõem partilhar com todos os participantes as suas investigações e interesses académicos relativos à cultura, ao património e ao turismo.

Las III Jornadas Ibéricas sobre “Cultura, Patrimonio y Turismo en la Sociedad Digital”, que se celebran el día 18 de octubre de 2019 en la Facultad de Artes y Letras de la Universidade da Beira Interior (Covilhã, Portugal), representan un nuevo esfuerzo por reflexionar, de modo crítico, acerca de las dinámicas relaciones que se establecen entre estas tres áreas en la actual Sociedad de la Información y del Conocimiento.
Con tal propósito, y al igual que en anteriores ediciones, el evento contempla la intervención de expertos de diversos ámbitos, pertenecientes a universidades de Portugal, España y Países Bajos, y que se proponen compartir con todos los participantes sus investigaciones e intereses académicos relativos a la cultura, al patrimonio y al turismo.


Programa


18 OUT

Sala dos Conselhos da FAL / UBI


09h00

Receção e Abertura

Paulo Serra & Valeriano Piñeiro-Naval

09h15

VALERIANO PIÑEIRO-NAVAL & PAULO SERRA

Apresentação do livro "Cultura, Património e Turismo na Sociedade Digital (Vol. 2): Diálogos Interdisciplinares"

09h30

LÉNIA MARQUES

“Cultura e Turismo em espaços urbanos: oportunidades e desafios”

10h15

LIBERTAD TROITIÑO TORRALBA

“La dimensión turística del patrimonio: complementariedad entre las nuevas y tradicionales técnicas de análisis”
Moderador: URBANO SIDONCHA

11h00

Pausa para café

11h30

FRANCISCO PAIVA

“O Design e as Media Artes no Turismo Criativo”

12H15

MIGUEL BANDEIRA DUARTE

“Memória e tecnologia no espaço expositivo”
Moderador: PAULO SERRA

13h00

Almoço

14h30

XABIER MARTÍNEZ-ROLÁN

“Socialbigdata al servicio del sector turístico. Propuesta de análisis imagético a través de los metadatos en redes sociales”

15H15

VALERIANO PIÑEIRO-NAVAL & PAULO SERRA

“A comunicação digital das autarquias portuguesas: uma sistemática para detetar brechas turísticas e culturais na WWW”
Moderadora: CATARINA MOURA

16h00

Pausa para café

16h30

ANA MARÍA CAMPÓN CERRO

El oleoturismo y la revalorización de la cultura y patrimonio del olivar: un atractivo innovador para el turismo en el medio rural

17H15

HELENA ALVES

Fatores determinantes da competitividade turística da Região das Beiras e Serra da Estrela
Moderador: VALERIANO PIÑEIRO-NAVAL

18h00

Encerramento

Oradores & Comunicações

LÉNIA MARQUES

LÉNIA MARQUES

marques@eshcc.eur.nl, Erasmus University Rotterdam, https://orcid.org/0000-0002-6360-9919

Professora assistente em Gestão Cultural na Erasmus University Rotterdam (Países Baixos). Membro do conselho de administração da WLO (World Leisure Organization) desde 2016, tem trabalhado também com diferentes organismos na área da cultura e turismo cultural/criativo em diferentes países. É coordenadora do grupo de investigação em “Leisure and Innovation” da WLO, bem como do projecto sobre a experiência do Carnaval, dentro do grupo de investigação em Eventos da ATLAS (Association for Tourism and Leisure Education). É autora de várias publicações em literatura comparada, eventos, turismo e indústrias criativas.

“Cultura e Turismo em espaços urbanos: oportunidades e desafios”


As relações entre cultura e turismo tem sido alvo de muitas reflecções ao longo do tempo. A noção de turismo cultural tem também vindo a ser amplamente analisada nas suas diferentes dimensões, incluindo, entre outras, volume de turistas, experiência turística, impacto económico e sustentabilidade (Richards, 1996; McKercher & Du Cros, 2002; Smith, 2015).
Por vários motivos que envolvem trabalho e lazer, a mobilidade de pessoas tem vindo a aumentar significativamente. Esta maior mobilidade tem a ver com um conjunto de factores que inclui o acesso fácil a formas de transporte, resultado também de um maior e mais fácil acesso a ambientes digitais. Cidades com um reconhecido património cultural como Amsterdão, Barcelona ou, mais recentemente, Lisboa, têm vindo a debater-se com os desafios deste aumento de turistas e de taxas de mobilidade em geral (Richards & Marques, 2018).
Neste artigo, e usando Lisboa como estudo de caso, analisaremos com mais detalhe a relação da cultura e do turismo em espaços urbanos, procurando investigar, por um lado, pontos de sinergia entre cultura e turismo que beneficiem a cidade e os seus vários actores; e, por outro lado, apontar para urgentes respostas a desafios que influenciam sobremaneira a qualidade de vida de residentes e turistas.

LIBERTAD TROITIÑO TORRALBA

LIBERTAD TROITIÑO TORRALBA

ltroitin@ucm.es, Universidad Complutense de Madrid, https://orcid.org/0000-0002-0436-3832

Doctora en Geografía por la Universidad Complutense de Madrid (2009). Miembro del grupo de investigación “Turismo, Patrimonio y Desarrollo” (Ref. UCM 930117). Profesora del Departamento de Geografía de la Universidad Complutense de Madrid desde 2011. Ha formado parte del equipo investigador de 13 proyectos competitivos, 27 contratos de investigación y 4 proyectos de innovación docente. Los resultados obtenidos en estas investigaciones contribuyeron a la puesta en marcha y desarrollo de los Observatorios turísticos del Grupo de Ciudades Patrimonio de la Humanidad de España (2007-2011), Ciudad de Segovia (2009) y Ciudad de Ávila (2003-2019); y a la planificación y gestión turístico-patrimonial de territorios y conjuntos monumentales. Su producción científica se cifra en 92 contribuciones. Mantiene su interés en las relaciones entre patrimonio, turismo y paisaje en los destinos y territorios patrimoniales, en las problemáticas derivadas de la presión turística en los centros urbanos, y en el uso de aplicaciones informáticas y bases de datos (big data) para medir los efectos del turismo.

“La dimensión turística del patrimonio: complementariedad entre las nuevas y tradicionales técnicas de análisis”


En la dinámica económica y en los cambios estructurales de los territorios hay que resaltar el protagonismo reforzado que está adquiriendo el turismo, con efectos de signo diverso a nivel morfológico, social y paisajístico. La reflexión sobre la protección y la conservación del patrimonio debe integrar plenamente las dimensiones funcionales y analizar, con rigor, las capacidades de acogida para los diferentes usos y actividades, orientando y controlando, de forma sostenible, los procesos de cambio. De esta forma puede ser más factible encontrar respuestas a las problemáticas relacionadas con la integración de las actuaciones y las prácticas sociales del turismo.
La función turística tiene cada día mayor presencia en los elementos y conjuntos patrimoniales y ello, si bien plantea nuevos problemas, también ofrece oportunidades para que los ciudadanos tengan experiencias enriquecedoras que contribuyan a su difusión y valorización social.
El turismo es, hoy en día, una actividad fundamental en la vida y economía de los destinos, y debe entenderse como una vía positiva para la conservación del patrimonio y como factor de desarrollo. Por ello, debe existir una adecuada planificación y gestión tanto por parte de los agentes públicos como de los privados.

FRANCISCO PAIVA

FRANCISCO PAIVA

fpaiva@ubi.pt, Universidade da Beira Interior, https://orcid.org/0000-0001-7307-8405

Professor associado da Universidade da Beira Interior (UBI), onde dirige o curso de 3º Ciclo/Doutoramento em Media Artes. Doutor em Belas Artes – Desenho pela Universidade do País Basco, licenciado em Arquitectura pela Universidade de Coimbra e licenciado em Design pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Coordena o grupo de artes do LabCom. Desenvolve pesquisa e criação sobre processos espácio-temporais, intermedialidade e identidade nas artes. Integra comissões científicas de eventos e de diversas publicações internacionais especializadas. Coordenador científico da “DESIGNA, Conferência Internacional de Investigação em Design” (www.designa.ubi.pt), da plataforma “Montanha Mágica* Arte e Paisagem” (www.montanhamagica.ubi.pt) e das Jornadas de Investigação em Artes (www.iartes.ubi.pt). Integra ainda a “CooLabora – cooperativa de intervenção social”.

“O Design e as Media Artes no Turismo Criativo”


Quando Alois Riegl enquadra o moderno culto dos monumentos está ainda longe das dinâmicas fetichistas que viriam a caracterizar as indústrias culturais e os seus produtos. O desempenho das Artes e do Design para conferir valores ao património passa por processos que, embora diversos das lógicas simbólicas, ideológicas e políticas, têm logrado ampliar o significado tanto do Passado como do Presente. Estas áreas têm emprestado a sua criatividade à atualização dos códigos simbólicos e das dinâmicas relacionais, bem como à alteração dos protocolos de representação, interpretação, disseminação e consumo de toda uma extensa panóplia de bens. Porém, as realizações artísticas, inclusive em contexto museológico, são também centrais na necessária critica às intervenções de índole exclusivamente historiográfica e patrimonialista, pondo em confronto este quadro mais integrado e estabelecido com o da frequentemente disruptiva criação contemporânea. São precisamente as implicações desta complexa via que propomos explorar.

MIGUEL BANDEIRA DUARTE

MIGUEL BANDEIRA DUARTE

mduarte@arquitetura.uminho.pt, Universidade do Minho, https://orcid.org/0000-0002-6869-7110

Licenciado em Design de Comunicação (FBAUP/1994) é doutorado em Belas Artes: Desenho (FBAUL/2016) com a tese “O Lugar e o Objeto como circunstância do Esquisso”, financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). É professor auxiliar na Escola de Arquitetura da Universidade do Minho (EAUM) e diretor do Museu Nogueira da Silva – unidade cultural da Universidade do Minho, desde 2015. Membro investigador do “Lab2PT – Laboratório de Paisagens, Património e Território”, é editor da revista PSIAX e coordenador do Estúdio UM desde 2008.

“Memória e tecnologia no espaço expositivo”


Num museu ou galeria expositiva não existem regras para o tempo que cada indivíduo dispensa a observar cada artefacto. Apenas um conjunto de aprendizagens regulam a curiosidade, pela factualidade expressiva do objeto, e a procura de uma estimulante coincidência entre expectativa e satisfação do prazer sensorial, numa dimensão subjetiva. Esta dinâmica observa-se igualmente noutras manifestações culturais, onde a capacidade de dedicar atenção, de evocar memórias e de distanciamento, para uma perceção consciente da experiência de prazer, são condições essenciais no florescimento do individuo, contribuindo para um estado de gratificação pela dedicação à experiência. A permeabilidade dos espaços culturais a novas tecnologias é uma inevitabilidade pela presença de ambos no espaço quotidiano. Os sistemas digitais anunciam uma narrativa de relação entre o objeto e o fruidor onde o acesso à informação é aparentemente facilitado, permitindo uma construção amplificada do conhecimento sobre um artefacto. Anunciam também uma relação material na qual o bem patrimonial se torna imagem e hipertexto, perdendo uma ligação primordial com o processo de manufatura e a dimensão criadora do indivíduo.
A partir deste enunciado aprofunda-se as relações entre tecnologia digital, atenção e património no sentido criar entendimento sobre o presente e estabelecer orientações para uma experiência enriquecida dos bens culturais e dos espaços de memória.

XABIER MARTINEZ-ROLAN

XABIER MARTÍNEZ-ROLÁN 

xabier.rolan@uvigo.es, Universidade de Vigo, https://orcid.org/0000-0002-7631-2292

Doctor en Comunicación por la Universidade de Vigo, premio extraordinario de doctorado y profesor en la Facultad de Ciencias Sociales y de la Comunicación en dicha universidad. Miembro del grupo de investigación “SEPCOM – Servizo Público e Comunicación” y del grupo de innovación docente “MDAP – Medios Dixitais e Aprendizaxe Participativa”, sus líneas de investigación se centran en el estudio de comunidades virtuales, uso y apropiación de redes sociales y nuevos formatos publicitarios, y fórmulas comunicativas en nuevos medios.

“Socialbigdata al servicio del sector turístico. Propuesta de análisis imagético a través de los metadatos en redes sociales”  


La construcción de la imagen de los destinos turísticos pasa, indefectiblemente, por el universo de los medios de comunicación social, un vasto terreno en el que día a día crece el volumen de publicaciones, opiniones e interacciones que modelan la imagen que el viajero social construye sobre el destino.
Esta comunicación trata de arrojar luz sobre el proceso de captura de datos en redes sociales y el posible tratamiento de estos para estudiar el impacto de las redes sociales en la construcción de la comunicación de los destinos y atracciones turísticas.
En particular, se analizará el caso de Instagram y sus posibilidades: análisis de perfiles, etiquetas y ubicaciones, así como los metadatos que ofrece esta plataforma para realizar análisis adecuados al sector turístico.
Además, se propone un análisis automatizado de las imágenes exportable a grandes cantidades de datos que proveerán de la información necesaria para obtener un cuadro de mando adecuado para la toma de decisiones por parte de los distintos actores turísticos.

VALERIANO PINEIRO-NAVAL

VALERIANO PIÑEIRO-NAVAL

vale.naval@labcom.ubi.pt, Universidade da Beira Interior, http://orcid.org/0000-0001-9521-3364

Licenciado em Publicidade e Relações Públicas (Universidade de Vigo) e em Comunicação Audiovisual (Universidade de Salamanca). Doutor Europeu em Comunicação Audiovisual, Revolução Tecnológica e Mudança Cultural na Universidade de Salamanca, é atualmente membro integrado da unidade de I&D “LabCom.IFP – Comunicação, Filosofia e Humanidades” da Universidade da Beira Interior, onde está a usufruir de uma bolsa nacional de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) de Portugal (Ref. nº SFRH/BPD/122402/2016). Também é membro do “Observatorio de los Contenidos Audiovisuales” (OCA), grupo de investigação reconhecido (GIR) da Universidade de Salamanca.

“A comunicação digital das autarquias portuguesas: uma sistemática para detetar brechas turísticas e culturais na WWW”


A importância das instituições municipais no quotidiano dos cidadãos é indiscutível, uma vez que representam o seu interlocutor governamental e o seu órgão de representação política mais imediatos. Atualmente, as sociedades e as organizações são construídas permanentemente pelos seus membros através de processos comunicativos. Portanto, como é que os órgãos públicos responderam ao desafio tecnológico? Através do e-Governo, uma inovação capaz de melhorar os processos e a gestão ao nível institucional e estabelecer uma relação mais horizontal entre cidadãos e entidades. Com base nestas considerações prévias, o intuito do presente estudo foi avaliar o desenvolvimento digital das cidades portuguesas em relação ao seu nível de informação cultural e turística, à sua gestão da comunicação 2.0 e, finalmente, ao design dos seus websites. Para atingir este fim, foram criados vários indicadores referentes a estes aspetos e, desta forma, poder estabelecer triangulações com dados demográficos, económicos e tecnológicos recolhidos de fontes de informação secundárias. Seguindo esta mesma estratégia, foram comparados os municípios com base em parâmetros geográficos e ideológicos. Depois da recolha e o tratamento dos dados, foi possível verificar que o estado da Web local portuguesa tem uma correlação positiva e significativa com o nível de população e o desenvolvimento económico e tecnológico das localidades. Em termos interterritoriais, e após as comparações realizadas, constatou-se que os municípios do litoral continental do país são os que apresentam os melhores serviços eletrónicos.

PAULO SERRA

PAULO SERRA 

pserra@ubi.pt, Universidade da Beira Interior, https://orcid.org/0000-0001-7821-3880

Licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras de Lisboa e mestre, doutor e agregado em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior (UBI). Nesta universidade, é professor catedrático no Departamento de Comunicação e Artes e investigador na unidade de I&D “Labcom.IFP – Comunicação, Filosofia e Humanidades”. Desempenha atualmente, na UBI, o cargo de coordenador científico do Labcom.IFP e, a nível nacional, o de Presidente da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (Sopcom). É autor dos livros A Informação como Utopia (1998), Informação e Sentido: O Estatuto Epistemológico da Informação (2003) e Manual de Teoria da Comunicação (2008), coautor do livro Informação e Persuasão na Web (2009), organizador do livro Retórica e Política (2015) e coorganizador de múltiplos livros. Tem ainda vários capítulos de livros e artigos publicados em obras coletivas e revistas, nacionais e estrangeiras.

“A comunicação digital das autarquias portuguesas: uma sistemática para detetar brechas turísticas e culturais na WWW”  


A importância das instituições municipais no quotidiano dos cidadãos é indiscutível, uma vez que representam o seu interlocutor governamental e o seu órgão de representação política mais imediatos. Atualmente, as sociedades e as organizações são construídas permanentemente pelos seus membros através de processos comunicativos. Portanto, como é que os órgãos públicos responderam ao desafio tecnológico? Através do e-Governo, uma inovação capaz de melhorar os processos e a gestão ao nível institucional e estabelecer uma relação mais horizontal entre cidadãos e entidades. Com base nestas considerações prévias, o intuito do presente estudo foi avaliar o desenvolvimento digital das cidades portuguesas em relação ao seu nível de informação cultural e turística, à sua gestão da comunicação 2.0 e, finalmente, ao design dos seus websites. Para atingir este fim, foram criados vários indicadores referentes a estes aspetos e, desta forma, poder estabelecer triangulações com dados demográficos, económicos e tecnológicos recolhidos de fontes de informação secundárias. Seguindo esta mesma estratégia, foram comparados os municípios com base em parâmetros geográficos e ideológicos. Depois da recolha e o tratamento dos dados, foi possível verificar que o estado da Web local portuguesa tem uma correlação positiva e significativa com o nível de população e o desenvolvimento económico e tecnológico das localidades. Em termos interterritoriais, e após as comparações realizadas, constatou-se que os municípios do litoral continental do país são os que apresentam os melhores serviços eletrónicos.

PAULO CARVALHO

ANA MARÍA CAMPÓN CERRO

amcampon@unex.es, Universidad de Extremadura, https://orcid.org/0000-0001-7694-6087

Doctora por la Universidad de Extremadura (UEx) con mención internacional y premio extraordinario de doctorado, licenciada en Investigación y Técnicas de Mercado (premio extraordinario de licenciatura y V Premio AEDEMO 2008), diplomada en Ciencias Empresariales y diplomada en Turismo, máster oficial en Dirección y Gestión Hostelera (UEx) y mestrado em Marketing (Universidade da Beira Interior). Es profesora contratada doctora, adscrita al Área de Comercialización e Investigación de Mercados en la Facultad de Empresa, Finanzas y Turismo, impartiendo docencia en grado, máster y doctorado. Ha participado en proyectos y congresos en España y Portugal, y posee publicaciones como libros, capítulos de libro y artículos en revistas científicas indexadas y de alto impacto. Entre sus líneas de investigación se encuentran: marketing relacional, imagen y marca de destinos turísticos, RSC, slow tourism, ecomuseos, agroturismo, turismo rural, idiomático, ornitológico, gastronómico y oleoturismo. Es miembro del grupo de investigación “MARKETUR – Marketing y Gestión Turística”.

“El oleoturismo y la revalorización de la cultura y patrimonio del olivar: un atractivo innovador para el turismo en el medio rural”


El medio rural ha de encontrar una respuesta a la crisis de la agricultura y la dificultad que enfrentan los productos agroalimentarios para competir en los mercados globalizados. Se observa en el binomio producto agroalimentario-turismo ofrece potencial para vehicular nuevas experiencias turísticas como el oleoturismo, dando así respuesta a una nueva demanda turística en busca de experiencias y un mayor potencial para la comercialización de los productos gastronómicos locales, en este caso, el aceite de oliva virgen extra (AOVE). El AOVE se constituye como un producto agroalimentario de calidad, con una vinculación al patrimonio cultural y natural en relación con el cultivo del olivo muy potente, convirtiéndolo en un recurso turístico relevante. Por ello, resulta de interés reflexionar sobre la capacidad que tienen los productos agroalimentarios de calidad, como el AOVE, para aportar valor añadido en términos de imagen, diversificación de los productos ofertados y posicionamiento en los mercados nacionales e internacionales, así como para el diseño de estrategias para la atracción de turistas que potencien los beneficios del turismo en los territorios rurales en que este se promueve con relación a sus productos agroalimentarios.

HELENA ALVES

HELENA ALVES 

halves@ubi.pt, Universidade da Beira Interior, https://orcid.org/0000-0001-5192-2310

Professora associada do Departamento de Gestão e Economia da Universidade da Beira Interior (UBI), e investigadora no “NECE – Research Center in Business Sciences”. As suas áreas de investigação incidem no marketing de serviços no setor do turismo, saúde e organizações não lucrativas. Foi coordenadora da pós-graduação em Marketing e Eventos Turísticos da UBI. Atualmente coordena a equipa que está a colaborar com o Turismo do Centro no desenvolvimento da fase 1 e 2 do projeto CRECEER – promoção da cooperação empresarial em ambientes transfronteiriços rurais entre empresas e entidades nos setores agro-alimentares (gourmet) e turismo, e faz ainda parte do projeto TWINE – Co-creating sustainable Tourism & WINe Experiences in rural areas, entre outros.

“Fatores determinantes da competitividade turística da Região das Beiras e Serra da Estrela” 


Dado que muitas regiões almejam a melhoria da sua competitividade turística, o estudo dos fatores determinantes da competitividade do turismo continua a ser algo perseguido pelas entidades públicas responsáveis por incentivar e contribuir para essa mesma competitividade. Assim, este estudo tem por objetivo perceber quais os fatores determinantes da competitividade turística, na perspetiva dos agentes privados, nos setores agroalimentar e do turismo na região da Beiras e Serra da Estrela, Portugal. Para tal, e no âmbito do projeto CREECER, levaram-se acabo 15 entrevistas que permitiram perceber quais os fatores determinantes do desenvolvimento do turismo da região, bem como o estado de desenvolvimento de cada um deles. Os resultados mostram que a inovação e criatividade nos produtos endógenos, aliada à qualidade das matérias-primas e recursos qualificados são fatores que potenciados pela cooperação e governança regional, são considerados determinantes para o desenvolvimento regional.

Inscrição

Entrada livre

Comissão Executiva


Organização
Paulo Serra & Valeriano Piñeiro-Naval 

Design
Sara Constante

Web Developer / Apoio Informático
Marcela Silva
António Matos

Apoio Administrativo
Mércia Pires

Apoio Logístico
LabCom.IFP - Comunicação, Filosofia e Humanidades

Contactos



Localização

Universidade da Beira Interior
Faculdade de Artes e Letras
Departamento de Comunicação e Artes
Rua Marquês D'Ávila e Bolama
6201-001 Covilhã, Portugal


Telefone

(+351) 275 242 023 / ext. 1201