Capa: Ana Catarina Pereira (2016) A Mulher-Cineasta: Da arte pela arte a uma estética da diferenciação . Communication  +  Philosophy  +  Humanities. .
A Mulher-Cineasta: Da arte pela arte a uma estética da diferenciação

by Ana Catarina Pereira

Coleção: Ars
Série:
Ano da edição: 2016
ISBN: 978-989-654-278-8
Preço da edição impressa: € 13   Encomendar


Download PDF - 12700 KB


Sinopse

Os movimentos feministas não inventaram somente novas estratégias ou novos léxicos, mas, mais importante, conceberam um novo sujeito social, as mulheres: não apenas como leitoras, consumidoras e espectadoras de objectos culturais, mas também como escritoras, realizadoras e produtoras desses mesmos objectos culturais. O foco no cinema português realizado por mulheres correspondeu, assim, ao estudo de uma dupla invisibilidade: aquela que ultrapassa a consagração de alguns nomes, mas também o antagónico interesse da generalidade do público. Constatando-se que as cineastas portuguesas realizaram apenas 14 por cento das longas-metragens de ficção estreadas comercialmente nas últimas três décadas, defendem-se medidas de discriminação positiva, como a inserção de quotas na cedência de financiamentos e a própria criação de um festival de cinema de mulheres, em Portugal.

Índice

Prefácio - 9

Introdução - 11

Parte I Teoria  15

Capítulo 1 - Direitos Humanos e Feminismo(s) - 17
Historicidade dos direitos humanos - 17
Primeiras tentativas de jurisdição - 23
As primeiras imagens em movimento - 28
As primeiras mulheres-cineastas - 33

Capítulo 2 - A segunda vaga de um feminismo beauvoiriano - 39
A Europa nos anos 50 - 39
A construção de um léxico feminista - 48
Ventos de mudança no pós-Segundo Sexo e a sua influência na sétima arte - 52
Women are messed over, not messed up” - 58
Quando a esfera privada se torna política - 61
A primeira causa feminista internacional - 63

Capítulo 3 - A fragilidade do direito à igualdade nas sociedades democráticas - 73
Conceito “igualdade” em Norberto Bobbio - 73
Regra de justiça - 76
Sistemas de implementação do direito à igualdade - 80
A opressão como mecanismo gerador de desigualdade social - 83

Capítulo 4 - Arte e política: A mulher vista como o outro - 89
Filmes que preservam preconceitos - 89
Imagens distantes - 93
O olhar de Laura Mulvey - 99
Um cinema político - 110

Capítulo 5 - A mente feminina num cinema masculino - 113
A sensível - 113
A sexualizada - 118

Capítulo 6 - Do espectador universal à passividade da mulher que assiste - 125
O espectador universal - 125
O processo de identificação da espectadora - 129
O espectador indefinido - 135
O mecanismo de criação de imagens - 138
Alterar o cinema dominante - 141
O não-lugar da espectadora - 145
Festivais de cinema de mulheres em todo o mundo - 147

Capítulo 7 - A insustentável leveza de uma definição: Existirá uma estética feminina? - 151
Esquecimento e subversão - 152
Cinema feminino versus cinema masculino - 154
A arte (e o cinema) feminista como arma política - 162
Texto e contexto - 168

Parte II - Metodologia - 173

Capítulo 8 - O estranho caso do cinema português - 175 
As precursoras - 175
Os filmes realizados - 180
Filmar em democracia - 187
Dados comparativos - 196
Metodologias e desenho de uma investigação - 199

Parte III - Empiria -221

Capítulo 9 - O adultério feminino pelo olhar de Monique Rutler: O charme discreto de uma burguesia republicana e falsa-moralista - 223
Socialmente incorrecta - 224
Um filme não assumidamente feminista - 228
O olhar de Monique Rutler sobre Portugal - 233
Pecados de um adultério no feminino - 239
Considerações finais sobre Solo de Violino - 246

Capítulo 10 - O niilismo de Cláudia Tomaz: O eterno-retorno a um cinema português centrado no miserabilismo humano - 249
Imagens sufocantes - 250
As influências de Teresa Villaverde e Pedro Costa - 257
Niilismo e eterno retorno - 263
A passividade feminina - 266
A evolução no percurso cinematográfico de Cláudia Tomaz - 272

Capítulo 11 - Cine-ensaios de Solveig Nordlund: Hologramas de um futuro próximo no qual tolerância e feminismo conduzem a uma mudança de paradigma - 277
J. G. Ballard e Solveig Nordlund: O escritor e a realizadora da utopia no caos da pós-modernidade - 278
A feminização de um conto essencialmente masculino - 281
O medo como instrumento de governação - 288
As autoras que marcaram a evolução de um género - 294
O futuro da ficção científica - 302
A recusa de uma androgenia futurista - 306
A eterna procura de um feminismo inclusivo - 309

Capítulo 12 - O fantasma do feminismo na obra de Catarina Ruivo - 317
“O eu és tu” -  318
Desigualdades que persistem - 321
A urgência da felicidade e a ausência de limites - 330
A presença indelével de Virginia Woolf em Daqui p’rá frente - 334

Considerações finais - 341

Anexos - 351

Referências bibliográficas  357

Apoio:
Fundação para a Ciência e a TecnologiaUnião EuropeiaQuadro de Referência Estratégico NacionalPrograma Operacional Factores de CompetitividadeUniversidade da Beira Interior